Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amena Cavaqueira

O Amena não tem o melhor nome para blogue de viagem e lady-gazeta não é o nome de autor mais credível para uma blogosfera de gente séria, mas estamos bem com isso. Somos sempre mais do que bons viajantes e bons nomes.

Amena Cavaqueira

O Amena não tem o melhor nome para blogue de viagem e lady-gazeta não é o nome de autor mais credível para uma blogosfera de gente séria, mas estamos bem com isso. Somos sempre mais do que bons viajantes e bons nomes.

12
Jul18

Subida ao Pico

lady-gazeta

Bom, primeiro que tudo, calma! Lady-Gazeta não desistiu do blogue! Mais! Este tempo de espera não foi à toa.

Foi para trazer mais suspense ao meu regresso. Vá, admito, é mentira. Este tempo de espera foi uma recuperação! Exactamente, leram bem, um mês depois de subir ao pico do Pico já me sinto totalmente recuperada fisicamente e psicologicamente para vos contar como foi a aventura. 

Espero, no entanto, que não tenham desistido de acompanhar o périplo, meu fiéis comparsas de leituras. 

DSC02584.JPG

 

Portanto, vamos a isto? 

 

A iniciativa Rumo ao Pico 2018 começou exatamente na mesma altura em que comecei a investir mais tempo aqui, no Amena (portanto em Janeiro deste ano). E a intenção era, mais do que subir ao Pico, conhecer as ilhas afamadas como triângulo dos Açores. E por quê? Porque as fotos eram maravilhosas, os relatos de quem as tinha conhecido também. E, em boa verdade, estava com muita vontade de voltar aos Açores, mas dando oportunidade a outra ilha que não fosse São Miguel (atenção, São Miguel é lindo. Não deturpem!). Pensámos no grupo central com carinho, lemos uns relatos aqui e ali, caçámos um bom preço e comprámos os bilhetes de avião. Só posteriormente, admitimos, é que considerámos a subida ao pico do Pico. Na verdade, eu era quem tinha mais receios da aventura. A confirmação da subida durante esta viagem surgiu apenas na BTL, quando abordámos uma empresa que fazia a subida sobre as condições, se fornecia o material necessário e, sem medos, confirmámos o nosso LET'S DO IT!

 

DSC02585.JPG

 

E a partir daqui, foi a preparação. Não da viagem por si, que tipicamente é uma gestão de logística, mas demos início a treinos físicos. Sou (ou era) uma pessoa sedentária. O desporto em que sou realmente boa, bato recordes tranquilamente, é aquele que envolve um garfo e uma faca. 

Percebi claramente que os hábitos teriam que mudar ligeiramente e, por isso, há alguns meses atrás começámos a percorrer trilhos na zona de Lisboa. Foi, na verdade, um excelente pretexto para reconhecer a serra de Sintra, por exemplo.

Mas convenhamos, subir a Serra de Sintra, ainda que tenha zonas com alguma dificuldade, em nada se comparava à subida da montanha mais alta do país. E sabíamos disso. Mais do que isso, enquanto que os quilómetros de trilhos deixavam-me satisfeita e cada vez mais motivada, os relatos aqui na blogosfera de quem já tinha subido ao pico do Pico não eram animadores: é difícil, não consegui subir, desisti assim que vi, etc. faziam-me fraquejar. E, piorando o cenário, o facto de ter um problema genético nos joelhos (nas rótulas) que me trazem dores sempre que faço desporto de impacto, deixava-me ligeiramente ansiosa. 

 

Posto isto, por recomendação, inscrevi-me também no ginásio e fiz treinos específicos para a subida em questão com o intuito de fortalecer os músculos dos joelhos e pernas (cerca de 2 meses antes de subir ao Pico). Durante estes treinos tive algumas dores é certo, mas nada de impeditivo. 

 

Tudo tranquilo até aqui. O problema foi depois de aterrar e encarar a montanha. A situação mudou de figura. Os testemunhos aqui da blogosfera de quem já tinha subido e o tamanho da montanha alarmou o mais destemido de nós os dois. E eu, bom, eu fiquei doente. Literalmente. Provavelmente, os nervos reflectiram-se através de uma gripe que quase me fez fraquejar até à véspera da subida.

E o tempo também não estava espectacular. Já vos disse que o tempo, para mim, influencia muito sobre a opinião do destino. Um desafio daqueles com chuva deixou-me muito desanimada, lembrando-me de relatos onde o tempo se revelou o pior adversário do cansaço durante a subida.

Bom, o chamado sofrer por antecipação. 

 

DSC02378.JPG

 

Na véspera da subida e depois da confirmação oficial da Tripix, empresa em quem depositámos toda a nossa confiança, melhorei subitamente. A intenção era pernoitar na cratera do vulcão, mas como vos disse, as condições climatéricas adversas não o permitiram e, por isso, seriam ~ 7 horas (subida + descida).

 

O ponto de partida é a Casa da Montanha (já ligeiramente acima do sopé da montanha) e o percurso a pé seria de aproximadamente 7km. Não subestimem. É com uma inclinação muito acentuada. Assim que chegámos à casa de partida, convivemos com a nossa futura equipa. Éramos apenas 2 portugueses num grupo de 10 estrangeiros. Nem parecia que estávamos em Portugal, na verdade. Mas independentemente da língua falada, o sentimento era igual para todos: ansiosos e motivados. E lá arrancámos, em fila ordeira, já o relógio apontava as 10 horas da manhã. 

Saímos com bastões (abençoados!) e GPS, água, barras energéticas, sandes, medicação e muita vontade.

 

Como não passo de 1.60m, recomendaram-me passar para o grupo da frente, perto da instrutora Raisa, para que os passos não fossem tão longos e para que conseguisse fazer uma boa gestão de esforço até ao fim.

Não tive grandes dificuldades durante a subida, honestamente. Na verdade, o plano que fiz de ginásio e os trilhos serviram perfeitamente para me sentir a maior alpinista da minha rua. :) E adorei a experiência, claro.

 

2018_0601_135806_001.JPG

 

E adorei a sensação de conquista assim que chegamos ao topo do "mundo". Os bastões ajudaram muito até chegar à cratera do vulcão. Depois disso, a última fase do percurso de subida é feita em escalada (foi ainda mais emocionante).

 

2018_0601_134446_016.JPG

 

 

Depois a descida.

A descida.

A... desci..da.

 

A descida foi outra conversa. Custou. Mas custou mesmo muito.

 

2018_0601_152209_002.JPG

 

 

A meio do percurso da descida já estava com dores insuportáveis nos joelhos. Sentia algum cansaço, claro, mas as dores eram superiores a tudo. E a partir da estaca 18 (eram perto de 45) o caminho tornou-se inexplicavelmente longo. As descidas sucessivamente íngremes e alguma chuva – na verdade parece que surgiram as 4 estações durante o percurso – tornaram o piso mais escorregadio e fez com que caísse por duas vezes (mas calma, quedas pouco aparatosas, apenas escorregar lentamente e cair com classe ).

 

Não sei se vos vou conseguir explicar, mas chegar à Casa da Montanha, o ponto de partida, foi como ver água no deserto. Aliás, chegar foi muito mais do que isso. As lágrimas de contentamento e de dor, simultaneamente, caracterizaram a entrada magistral na casa da montanha.  Podia mentir-vos, é certo, mas foi precisamente isto que aconteceu. 

 2018_0601_134005_003.JPG

 

Fanáticos de cronometragem, não fiquei particularmente orgulhosa. Para quem se julgou alpinista de sangue durante a subida, foram cerca de 3,5 horas a subir e 4,5 horas a descer, com direito a 1 hora de almoço, no Piquinho, com vista para as ilhas vizinhas, para o oceano e para as fumarolas do vulcão semiadormecido.

 

No fim, estava tudo bem. Consegui e conseguimos. A Tripix foi, em todos os momentos, espectacular comigo. Incentivou-me naqueles momentos em que temi ficar a viver por lá, entre a lava solidificada e os poucos rastos de verdura. E não sorriam! Naquele momento eu conviva bem com o facto de me tornar a mulher da montanha, já que o resgate é para lá de muito caro. 

 

DSC02615.JPG

 

Contudo, o A., que me acompanha neste projecto (e todos os outros) e incentiva-me nestas loucuras, não sofreu tanto com o desgaste físico, mas tem também uma melhor preparação física do que a minha. Portanto, ao contrário do que li por aqui, cada caso é um caso. E é claro que vocês, se o pretendem fazer também, vão consegui-lo certamente! É claro que há pessoas que desistem, mas essas pessoas não são vocês. 

 

 DSC02594.JPG

Geralmente perguntam-me se voltava a repetir a experiência. Até ontem, eu hesitava, mas hoje chegou o momento de dizer que sim. Voltava e pernoitava! Ver o amanhecer no topo do país deve ser uma experiência maravilhosa! 

Esta foi certamente a primeira de muitas experiências a sério deste tipo. Superação, persistência e conquista são as 3 palavras que caracterizam este desafio pessoal e, para mim, foi muito gratificante ultrapassar este objectivo, mesmo com todas as restrições físicas que levava na bagagem. 

 

06
Jun18

Faial, Açores

lady-gazeta

Foi, certamente, a viagem que decidi com maior antecedência. Há quem diga que quem planeia com tempo, poupa na carteira. Levanto algumas dúvidas neste tema, mas não discuto ditados populares. 

Hoje tinha planeado falar-vos somente do Faial, mas tenho necessariamente de enquadrar-vos um pouco melhor sobre esta viagem. O objetivo era conhecer o Faial, claro, mas também outras ilhas do grupo central: Pico e São Jorge.

 

DSC02359.jpg

 

 

A antecedência na compra dos voos levou-nos a uma poupança comedida, mas também a uma constante alteração de datas e horários, de acordo com ajustes das Companhias Aéreas. Não espantou, não impactou a viagem, mas na realidade, fez-nos fazer algumas manobras na distribuição de dias por ilha.

Antes de mais, garanto-vos: não é uma viagem ao estilo “cidade europeia”, pois requer algum cuidado no que trata de transporte entre ilhas. E não. Não é como aguardar pelo autocarro, nem o comboio que passa de hora-a-hora, mas sim um barco que limita o tempo de visita a cada ilha. Na verdade, disponibilizávamos de 6 dias, de segunda a sábado, para o coração dos Açores. A matemática básica diria 2 dias por ilha seria perfeito, mas quem viaja sabe que o que há para ver em cada local é que define a permanência em cada ilha. Na verdade, e usando a honestidade como escudo, a actualização de horários da Atlanticoline, na véspera de partir, fez-nos ficar pouco mais de 6 horas no Faial. Viajar é isto mesmo, não é verdade? Lidar com imprevistos e angústias momentâneas e apertar com o acelerador por forma a conseguir viver o máximo no mínimo tempo disponível. Serve este parágrafo para justificar o pouco tempo na ilha e não, não desvalorizarem o tamanho físico que a ilha tem.

 

Notas introdutórias feitas, puxem da cadeira e sentem-se. Vamos falar da viagem ao Faial.

 

Os voos foram comprados com origem em Lisboa e com destino ao Pico. É uma viagem rápida, cerca de 2 horas. O voo não estava cheio e foi a SATA que nos levou até lá. Sem atrasos e sem sobressaltos. Assim que aterramos no Pico urge silêncio. O tapete que nos devolve as malas não reflectia nem metade do agito que levávamos na bagagem. O aeroporto do Pico é um aeroporto pequeno e não faz as hostes da casa.

 

Assim que saímos, nada muda, a não ser o pico. Sim, o pico do Pico: a montanha mais badalada do país, deslumbrante e soberba. Mas não ficaríamos, para já, por ali e guardo estas descrições para mais tarde. O destino, assim que aterrámos, era a ilha do Faial. Há táxis na saída do aeroporto que nos levariam até ao Porto de Madalena, onde podíamos embarcar, em direcção à Horta. Taxista foi simpático, acolhedor e falador. Os açorianos ainda não se irritaram com o turismo e a hospitalidade é a palavra de ordem em todas as ilhas visitadas. O Porto de Madalena é pequeno e acessível. Fica mesmo no coração da vila e, notem, 20 minutos antes de embarcar é o tempo suficiente para efectuar o checkin, (nesta época, claro).

 

DSC02262.jpg

 

Portanto, a sensação de tranquilidade mantém-se. O cenário muda quando o barco sai do porto. A viagem entre o Pico e o Faial é atribulada: o mar estava batido e o tempo pouco simpático. Não havia baleia que nos quisesse dar as boas-vindas. Sem enjoos, ainda assim.

DSC02285.jpg

 

Para o Faial levávamos um plano quase naziIstoisto e depois aquilo. Faltou, realmente, definir horas. Mas não somos de horas. Azar o nosso. Assim que recebemos o carro e fomos almoçar ao Genuíno e percebe-se rapidamente que 6 horas jamais seria um objectivo tangível para se conhecer o Faial. O restaurante fica na baía de Porto Pim, que por si só nos agarra à vista que tem. E o restaurante tão recomendado tem razão de o ser: comida deliciosa, vista deliciosa. E sobremesas? Para também ser deliciosa recomendo uma conversa com o senhor Genuíno, velejador de duas voltas ao mundo, sozinho. A decoração do restaurante reflecte todos as lembranças que trouxe dos 4 cantos do mundo. A simpatia e a honestidade com que falou das duas aventuras, fez-me querer ficar ali, a ouvi-lo, como se estivesse a assistir, ao vivo, a um dos relatos de Sexta-Feira e a Vida Selvagem.

 

DSC02287.jpg

DSC02289.jpg

 

E nisto, o plano derrapou. Pé no estribo com destino à Caldeira, no centro da ilha. O nevoeiro não baixou e as expectativas também não. Assim que chegámos, a vista tira-nos o fôlego. Verde, tudo verde. As fotografias não deixam mentir.

 

DSC02315.jpg

DSC02322.jpg

 

E depois, depois o Vulcão dos Capelinhos. Tornou a ilha maior e, cá entre nós, senti-a crescer ainda mais quando as horas para o barco começaram a reduzir descompassadamente.

 

DSC02340.jpg

 

 

DSC02339.jpg

 

Continuámos, a galope, na nossa TO-DO list. Parávamos em miradouros, para a foto rápida, sem grandes técnicas. Agora que olhamos: não precisam sequer de retoques. Fotos que parecem quadros. Abençoadas vistas.

DSC02348.jpg

 

 

 

A Vila da Horta é enternecedora. É indispensável uma passagem rápida no Peters. O turista ocupa todas as mesas do café – é, sem dúvida, uma ilha viva. E o porto, um dos maiores do nosso país, está repleto de veleiros e velejadores. Todos eles, dizem, deixam uma marca no muro do porto. Como não gostar? Como não querer ficar mais?

 

DSC02353.jpg

 

DSC02350.jpg

 

O nordeste da ilha foi-nos quase que omitido. Uma falha, diz certamente quem lá vive. Tranquilizem-se faialenses: sou das que volta aos locais onde fui feliz.

Às 19h já o barco emitia o sinal sonoro de partida. A alma estava apaixonada, mas o mapa não estava checked. Acontece a todos, não é verdade? Mas trouxe a conversa com o Genuíno. Valerá por quantas paisagens?

 

Posteriormente, deixo-vos um roteiro, mais referências, outros conselhos, como sempre.

Sim, vocês já me começam a conhecer: jamais conseguiria partilhar um plano sem uma demonstração de afecto por um destino que me foi tão querido, por mais curto que o encontro tenha sido.

 

DSC02357.jpg

 

 

Próxima paragem? São Jorge. Fiquem por aí. 

A Lady-Gazeta

Siga-nos no Facebook!

O Amena pertence a...

Amena no Mundo

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar